Bioética resolutiva no enfrentamento dos fenômenos da pobreza, das desigualdades e da violência

Autores/as

  • João Eduardo Reymunde Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Porto Alegre, Brasil
  • Lia Bárbara Wilges Secretaria Municipal de Educação da Prefeitura de Porto Alegre, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.18270/bp.v1i2.3924

Palabras clave:

bioética, estratégias de saúde, fatores socioeconômicos, pobreza, desigualdade, prevenção à violência, bioética resolutiva, fenômenos sociais, segurança cidadã

Resumen

Proposito/Contexto. Este trabalho foi elaborado a partir da investigação de Programas de Prevenção à Violência de seis municípios: Chicago, Portland e Filadélfia, nos Estados Unidos, Recife, Diadema e Belo Horizonte, no Brasil. Buscou-se analisar as estratégias utilizadas nesses programas e suas aproximações com os conceitos bioéticos.

Metodologia/Enfoque. Este trabalho se desenvolveu por meio do método qualitativo, valendo-se da Análise Textual Discursiva, para o estudo e compreensão dos fenômenos investigados, tendo como objetivo geral analisar se as diferentes teorias da bioética são evidenciadas nas estratégias de prevenção da violência.

Resultados. A partir dessa análise surge a Bioética Resolutiva que, com princípios antiviolência e a condição de ser obrigatória, viável e aceitável, utiliza a frônesis como método.

Discussão.  Sendo essa a linha de pesquisa, mister o seguinte entendimento: a pobreza está inserida no campo das desigualdades sociais que, por sua vez, são uma das formas de violência. Sobretudo, esse trabalho se dedicou a estudar as diferentes formas da violência – que inclui a pobreza e as desigualdades, que são previsíveis e possíveis de evitar, a partir da inteligência desses fenômenos com as diferentes correntes da bioética. Essas correntes, por sua vez, estão diretamente relacionadas ao planejamento, estruturação e execução de estratégias antiviolência. 

Citas

Assembleia Geral da ONU. "Declaração Universal dos Direitos Humanos". 217 (III) A. Paris, 1948. http://www.un.org/en/universal-declaration-human-rights/ (acessado em 6 de abril de 2021).

Braz, M., Bioética e Violência. Revista Bioética - Vol. 12, nº 2. P.77 - 98. 2004.

DECLARAÇÃO Universal sobre Bioética e Direitos Humanos. Trad. Ana Tapajós, Mauro Machado do Prado. [sl]: [sn], [2005]. Adotada por aclamação em 19 de outubro de 2005 pela 33ª Sessão de Conferência Geral da UNESCO.

Diccionario latinoamericano de bioética / dir. Juan Carlos Tealdi. - Bogotá: UNESCO - Red Latinoamericana y del Caribe de Bioética: Universidad Nacional de Colombia, 2008 xxviii, 660 p.

FBI - O Federal Bureau of Investigation, Home • Crime in the U.S. • 2019 • Crime in the U.S. 2019 • Tables • Table 6, https://ucr.fbi.gov/crime-in-the-u.s/2019/crime-in-the- u.s.-2019/topicpages/tables/table-6.

GALTUNG, Johan. Tras la violencia, 3R: reconstrucción, reconciliación, resolución. Afrontando los efectos visibles e invisibles de la guerra y la violencia, Bilbao, Gernika Gogoratuz. 1998.

GARRAFA V, Porto D. Intervention bioethics: a proposal for peripheral countries in a context of power and injustice. Bioethics. 2003;17(5-6):399-416.

https://doi.org/10.1111/1467-8519.00356

_____, V. Redbioética: a UNESCO initiative for Latin America and Caribbean. México City; 16th Session of the International Bioethics Committee of the Unesco; 23-25 nov 2009.

_____, V. Radiografia bioética de um país - Brasil. Acta Bioethica (OPS/ OMS) 2001.

_____, V. y PORTO, D. Intervention bioethics: a proposal for peripheral countries in a context of power and injustice. Bioethics 2003.

_____, V.; KOTTOW, M y SAADA, A. (org.). Bases conceituais da bioética- enfoque latino-americano. São Paulo: Editora Gaia-Unesco, 2006.

_____, V.; MANCHOLA, C. La bioética: una herramienta para la construcción de la paz. Revista Colombiana de Bioética. Vol. 9, (2). Universidad El Bosque, Bogotá, Colombia. 2014.

https://doi.org/10.18270/rcb.v9i2.714

______, V. e PORTO, D. Verbete: Bioética de Intervención. In: Tealdi JC, organizador. Diccionario Latino-Americano de Bioética. Bogotá. In press.

_____, V.; Oselka, G e Diniz, D. Saúde pública, bioética e equidade. Bioética, 1997.

GOLDIM, J.R., Bioética complexa: uma abordagem abrangente para o processo de tomada de decisão. Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 53 (1): 58-63, jan.-mar. 2009.

_____, J.R., Bioética: Origens e Complexidade. Rev HCPA - 2006;26(2):86-92.

_____, J. R., Bioética complexa: uma abordagem abrangente para o processo de tomada de decisão. In: GOLDIM, J. R. et al. Blog Portal de Bioética. Porto Alegre, 23 mai. 2021. Disponível em: https://www.ufrgs.br/bioetica/complexamrigs09.pdf. Acesso em: 23 mai. 2021.

_____, J. R., Conceitos Fundamentais. In: GOLDIM, J. R. et al. Blog Portal de Bioética. Porto Alegre, 20 mai. 2021. Disponível em: https://www.ufrgs.br/bioetica/textos.htm#conceito. Acesso em: 20 mai. 2021.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA, FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA(Org.). Atlas da violência 2017. Rio de Janeiro: Ipea; FBSP, 2017.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA, FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA (Org.). Atlas da violência 2018. Rio de Janeiro: IPEA; FBSP, 2018.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA, FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA (Org.). Atlas da violência 2019. Brasília; Rio de Janeiro; São Paulo: IPEA; FBSP, 2019.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA, FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA (Org.). Atlas da violência 2020. Brasília; Rio de Janeiro; São Paulo: IPEA; FBSP, 2020.

JUNGES, J. R. Bioética: perspectivas e desafios. São Leopoldo: Editora UNISINOS, 1999. 322 p.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência e Educação. Bauru: 2003, v. 9. n 2. p. 191-211.

https://doi.org/10.1590/S1516-73132003000200004

MÜLLER, M. C. Psicologia e bioética. In: CLOTET, J. (Org.). Bioética. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001. p. 85-92.

N. H. N. dos. (Orgs.). II dia da bioética: desafios éticos. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana, 2005. p. 11- 25.

OLIVEIRA, A. S. S. Políticas de segurança e políticas de segurança pública: da teoria à prática, In: GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL. Das políticas de segurança pública às políticas públicas de segurança, São Paulo, ILANUD: pp. 43-62. 2002. Disponível em: http://www.observatoriodeseguranca.org/files/livro- prevdocrime%20ILANUD.pdf Acesso em: 05/05/2021.

PESSINI, L. Bioética: um grito por dignidade de viver. São Paulo: Paulinas, 2006.

PORTO D., Bioética de intervención: retrospectiva de una utopía. In: Porto D, Garrafa V, Martins GZ, Barbosa SN. Bioéticas, poderes e injusticias, diez años después. Brasília: CFM/SBB/Unesco; 2012.

PROGRAMA DE LAS NACIONES UNIDAS PARA EL DESARROLLO (PNUD), Panorama general, Informe sobre Desarrollo Humano 2016, Desarrollo humano para todos. Material [En Línea] [Fecha de consulta 02 de abril de 2020]. Disponible en: http:// hdr.undp.org/sites/default/files/2015_human_development_report_overview_-_es.pd). (2015).

RIVAS F. La violencia como problema de salud pública en Colombia: otro campo para la bioética. Acta Bioethica 2000;6(2):335

https://doi.org/10.4067/S1726-569X2000000200011

SCHRAM, FR., and BRAZ, M. orgs. Bioética e saúde: novos tempos para mulheres e crianças? [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005, Criança, mulher e saúde collection, 274 p. ISBN: 978-85-7541-540-5. Available from: doi: 10.747/9788575415405. Also available in ePUB from: http://books.scielo.org/id/wnz6g/epub/schramm-9788575415405.epub

_____, FR, KOTTOW M. Bioethical principles in public health: limitations and proposals. Cadernos de Saúde Pública 2001 Jul/Aug;7(4):949-56. Disponível em http://wwwscielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 311X2001000400029&Ing=em&cnrm=isso

_____, FR. Bioética: a terceira margem da saúde. Brasília: Editora UnB; 1996.

_____, FR, Violencia y ética práctica. Salud Colectiva [en linea]. 2009, 5(1), 13- 25[fecha de Consulta 20 de Julio de 2020]. ISSN: 1669-2381. Disponible en: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=73111117002

https://doi.org/10.18294/sc.2009.228

TAVARES DOS SANTOS, J. V., TEIXEIRA, A. N., RUSSO. Violência e Cidadania: práticas sociológicas e compromissos sociais. Porto Alegre: Sulina/Editora UFRGS, 2011152

_____, J. V., Violência e conflitualidades. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2009.

_____, J. V., A Violência na Escola: conflitualidade social e ações civilizatórias. Revista Educação e Pesquisa, v. 027, 2001.

_____, J. V., A violência simbólica: o Estado e as práticas sociais. Revista Crítica de Ciências Sociais, v. 108, p. 182-190, 2015.

_____, J. V., ALAS: los desafíos de la internacionalización de la Sociología Crítica. Onteaiken, v. 20, p. 10-14, 2015.

_____, J. V., As lutas sociais contra as violências. Política & Sociedade, v. 06, p. 71-100, 2007.

_____, J. V., Democracia, Poderes e Segurança: reflexões. Sociologias (UFRGS. Impresso), v. 23, p. 14-19, 2010.

https://doi.org/10.1590/S1517-45222010000100002

_____ , J. V. Novas questões sociais mundiais, projetos sociais e culturais e a planificação emancipatória. Revista Humanas, Porto Alegre, v. 24, p. 163-185, 2001.

_____ , J. V., Segurança pública e violência no Brasil. Cadernos ADENAUER (São Paulo), v. 4, p. 83-96, 2008.

_____ , J. V., Violências e dilemas do controle social nas sociedades da "modernidade tardia". São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 18, n.01, p. 3-12, 2004.

https://doi.org/10.1590/S0102-88392004000100002

_____ , J. V., Violências, América Latina: a disseminação de formas de violências e os estudos sobre conflitualidade. Sociologias (UFRGS), UFRGS, v. 08, p. 16-32, 2002.

https://doi.org/10.1590/S1517-45222002000200002

____ , J. V., Violências, Medo e Prevenção. Sociologias (UFRGS), v. 20, p. 14-19, 2008.

https://doi.org/10.1590/S1517-45222008000200002

Descargas

Publicado

2022-02-14

Cómo citar

Reymunde, J. E., & Wilges, L. B. (2022). Bioética resolutiva no enfrentamento dos fenômenos da pobreza, das desigualdades e da violência. Bios Papers, 1(2). https://doi.org/10.18270/bp.v1i2.3924