Bioengenharia: diálogo entre o direito e a bioética

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.18270/bp.v1i2.3940

Palabras clave:

Eugenia, bioética, tecnologias disruptivas, patologias congênitas, dignidade humana, engenharia genética, biotecnologia

Resumen

Objetivo/Contexto. Nos últimos dez anos, o desenvolvimento de tecnologias disruptivas causou inúmeras controvérsias em diversos campos do conhecimento científico e tecnológico. Este artigo analisa o desenvolvimento científico de tecnologias disruptivas e as sequelas que podem causar. Visa esclarecer a era atual da biotecnologia e seus desafios decorrentes de uma forma mais pedagógica, onde à ameaça sobre o surgimento de uma nova forma de eugenia. Propõem-se enriquecer o debate ético-legal e bioético sobre os limites importantes que precisam ser estabelecidos.

Metodologia/Abordagem. Os métodos de pesquisa utilizados foram, análise documental, a revisão da literatura e a pesquisa qualitativa.

Resultados/Descobertas. Em relação aos resultados, é necessário ponderar que o princípio da dignidade humana deve ser usado como uma peneira ética para experimentos futuros, mas não pode ser interpretado como um princípio restritivo, pois as correções dos distúrbios patológicos congênitos são necessárias para a experiência humana.

Discussão/Conclusões/Contribuições. Por conseguinte, as indagações suscitadas neste trabalho são necessárias, uma que vez, o progresso científico está crescendo exponencialmente, e os debates jus-filosóficos não tem acompanhado.

Citas

BERIAIN, I. D. M.; ALMQVIST, J. Ethical questions in gene therapy. Precision Medicine for Investigators, Practitioners and Providers, p. 525-531, 2019.

https://doi.org/10.1016/B978-0-12-819178-1.00051-4

BOSTROM, N. A HISTORY OF TRANSHUMANIST THOUGHT Nick. Faculty of Philosophy, Oxford University, v. 1, n. Mitchell 2004, p. 1-30, 2011.

CARVALHO, S. Glossário. p. 1085-1103, 2008.

FIGUEIREDO, A. M. Bioética: crítica ao principialismo, Constituição brasileira e princípio da dignidade humana. Revista Bioética, v. 26, n. 4, p. 494-505, 2018.

https://doi.org/10.1590/1983-80422018264267

FREITAS, R. S. DE; ZILIO, D. A EUGENIA LIBERAL: UM OLHAR A PARTIR DA OBRA O FUTURO DA NATUREZA HUMANA DE JÜRGEN HABERMAS. Análise Social, v. 1, n. 1, p. 16, 2015.

https://doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2525-9695/2015.v1i1.21

GARRAFA, V. Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos. p. 13, 2006.

HARARI, Y. N. Sapiens - Uma breve história da humanidade. [s.l: s.n.].

HARARI, Y. N. HOMO DEUS - Uma breve história do amanhã. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

HARARI, Y. N. 21 lições para o século 21. [s.l: s.n.]. v. 53

KANT, I. Fundamentação da Metafísica dos Costumes (Tradução Antonio Pinto de Carvalho). 1964.

MARIA HUPFFER, H.; ALTMANN BERWIG, J. A tecnologia CRISPR-CAS 9: da sua

compreensão aos desafios éticos, jurídicos e de governança. Revista Pensar, v. 25, n. 3, p. 1-16, 2020.

https://doi.org/10.5020/2317-2150.2018.9722

MARTINS, F. Curso De Direito Constitucional. [s.l.] Editora Saraiva, 2019.

MARTINS, R. C. D. C.; SILVEIRA, D. B. DA. A importância da bioética no uso da eugenia para a efetivação dos novos direitos fundamentais. p. 1-27, 2018.

MUKHERJEE, S. O Gene - Uma História Íntima. São Paulo: [s.n.].

SANDEL, M. Contra a Perfeição: Ética na era da engenharia genética. Rio de Janeiro:

[s.n.].

SANTOS, S. G. DOS. A CAPTAÇÃO DO PRÓPRIO TEMPO NO CONCEITO: A BIOÉTICA DIALÓGICA EM HENRIQUE CLÁUSIO DE LIMA VAZ. Sustainability

(Switzerland), v. 11, n. 1, p. 1-146, 2019.

https://doi.org/10.1017/S0031182019001148

SEGERS, S.; MERTES, H. Does human genome editing reinforce or violate human dignity? Bioethics, v. 34, n. 1, p. 33-40, 2020.

https://doi.org/10.1111/bioe.12607

SYKORA, P.; CAPLAN, A. Germline gene therapy is compatible with human dignity. EMBO reports, v. 18, n. 12, p. 2086-2086, 2017.

https://doi.org/10.15252/embr.201745378

DECLARAÇÃO Universal do Genoma Humano e dos Direitos Humanos. 21 de outubro 1978. Disponível em: http://www.ghente.org/doc_juridicos/dechumana.htm . Acesso em: 14 mar. 2021.

DECLARAÇÃO Universal dos direitos humanos. 10 de dezembro 1948. Disponível em: http://www.ghente.org/doc_juridicos/decdirhumanos.htm . Acesso em: 14 mar. 2021.

PACTO Internacional dos Direito Civis e Políticos. 16 de dezembro 1966. 21 de outubro

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/d0592.htm. Acesso em: 14 mar. 2021.

CONVENÇÃO de Oviedo. 4 de abril de 1997. Disponível em:

<http://www.dhnet.org.br/direitos/sip/euro/principaisinstrumentos/16.htm>. Acesso em 4 de julho de 2021.

Publicado

2022-02-25

Cómo citar

Gabriel Ribeiro, O., & Santos, S. G. dos. (2022). Bioengenharia: diálogo entre o direito e a bioética. Bios Papers, 1(2). https://doi.org/10.18270/bp.v1i2.3940