La autonomía de la parturienta en el contexto de la atención al parto inducido: un estudio transversal

Palabras clave

bioética
autonomia relacional
parto
trabalho de parto induzido bioethics
relational autonomy
childbirth
induced labor bioética
autonomia relacional
parto
trabajo de parto inducido

Cómo citar

Izidoro Ferreira, G., Bezerra da Silva, L., Guilhem, D., Oliveira, C., & Di Carlo Araújo Duarte , A. (2021). La autonomía de la parturienta en el contexto de la atención al parto inducido: un estudio transversal. Revista Colombiana De Bioética, 16(2). https://doi.org/10.18270/rcb.v16i2.3508

Resumen

Objetivo. Este estudio pretende analizar la autonomía de la mujer en la asistencia al parto inducido. Método. Se trata de un estudio transversal realizado en el periodo comprendido entre octubre de 2019 y junio de 2021 mediante la aplicación de un cuestionario electrónico, construido en Google Forms, que contiene preguntas cerradas. Resultados. 383 mujeres respondieron al cuestionario diseñado por los autores. La edad de los participantes oscilaba entre los 17 y los 50 años. Entre las participantes, el 28,8% tuvo un parto inducido, de las cuales el 12,5% se sometió a una inducción mecánica, el 62,5% recibió oxitocina y el 25% prostaglandina/misoprostol. Conclusiones. La autonomía de la parturienta en la conducción de su parto es primordial para que los profesionales tengan buenas prácticas en la asistencia al parto.

https://doi.org/10.18270/rcb.v16i2.3508

Citas

MOTTA OJR, PAULO AS. Bioética E O Principialismo De Beauchamp E Childress: Noções, Reflexões E Críticas. Braz. J. Hea. Rev. 2020; 3(2): 2436-2448. Disponível em: < https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/8145>. Acesso em: 12 Dez 2020.

CAMPOS A, OLIVEIRA DR. A relação entre o princípio da autonomia e o princípio da beneficência (e não-maleficência) na bioética médica. Revista Brasileira de Estudos Políticos. 2017; 115: 13-45. Disponível em: <http://www.bioetica.org.br/library/modulos/varias_bioeticas/arquivos/Autonomia_e_Beneficencia.pdf>. Acesso em 13 Jan 2021.

ZIRR GM, GREGÓRIO VRP, LIMA MM, COLLAÇO VS. Autonomia da mulher no trabalho de parto: contribuições de um grupo de gestantes. Rev Min Enferm. 2019; 23:e-1205. Disponível em: < https://cdn.publisher.gn1.link/reme.org.br/pdf/e1205.pdf>. Acesso em 02 Fev 2021.

REIS TRL et al. Autonomia feminina no processo de parto e nascimento: revisão integrativa da literatura. Rev. Gaúcha Enferm. Porto Alegre, v. 38, n. 1, e64677, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472017000100503&lng=en&nrm=iso>. Acesso 28 Abr. 2021.

FERREIRA GI. A experiência da participação de mulheres em grupos de apoio na vivência do parto. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São Carlos, 2015.

WHO. WHO recommendations for augmentation of labour. World Health Organization. 2014. Disponível em: <https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/112825/9789241507363_eng.pdf?sequence=1>. Acesso 29 mar 2021.

OMS. Recomendações da OMS para os cuidados durante o parto, para uma experiência de parto positiva. Organização Mundial da Saúde. Genebra: 2018. Disponível em: <http://iris.paho.org/xmlui/handle/123456789/51552>. Acesso em: 01 Jun 2020.

FERREIRA GI. Bioética e cuidados perinatais ofertados às parturientes de risco habitual: subsídios para o Sistema Único de Saúde. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade de Brasília, 2021.

PEREIRA MG. Pereira MG. Epidemiologia: Teoria e Prática, Rio de Janeiro, G. Koogan, 2008.

VINUTO, J. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas. 2014; 22 (44): 203-220.

PALHARINI LA. Autonomia para quem? O discurso médico hegemônico sobre a violência obstétrica no Brasil. Cad. Pagu. 2017; 49: e174907. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332017000100307&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 29 Abr. 2021.

DINIZ CSG. Entre a técnica e os direitos humanos: possibilidades e limites da humanização da assistência ao parto. Tese (Doutorado em Medicina) – Universidade de São Paulo, São Paulo. 2001. Disponível em: <https://repositorio.usp.br/item/001192868> Acesso em 29 Abr. 2021.

HIRSCH O. O parto “natural” e “humanizado” na visão de mulheres de camadas médias e populares no Rio de Janeiro. Civitas. 2015; 15(2):.229-249. Disponível em: <https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/view/17933> Acesso em 20 Dez. 2021.

TORNQUIST C. Parto e poder: o movimento pela humanização do parto no Brasil. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2004. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/86639> Acesso em 20 Dez. 2021.

LEAL, M.C. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, 2014; 30(1):s17-s32. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/csp/a/gydTTxDCwvmPqTw9gTWFgGd/?lang=pt >Acesso em 20 Dez. 2021.

NUCCI M, NAKANO AR, TEIXEIRA LA. Ocitocina sintética e a aceleração do parto: reflexões sobre a síntese e o início do uso da ocitocina em obstetrícia no Brasil. História, Ciências, Saúde-Manguinhos [online]. 2018; 25(4):979-998. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0104-59702018000500006>. Acesso em 20 Dez. 2021.

WHO. WHO recommendations: induction of labour at or beyond term. World Health Organization. Genebra, 2018. Disponível em: <https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/277233/9789241550413-eng.pdf>. Acesso em out 2020.

Andrei FAL, Machado FIS. Médico como arquiteto da escolha: paternalismo e respeito à autonomia. Rev. bioét. (Impr.). 2021; 29 (1): 44-54. Disponível em: <https://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/2408>. Acesso em 20 abr 2021.

Santos MBB. Violência obstétrica: a violação aos direitos da parturiente e a desumanização do parto. Revista de Direito UNIFACEX, Natal - Rio Grande do Norte, 2018; 1(7): 1-23. Disponível em: <https://periodicos.unifacex.com.br/direito/article/view/869/285>. Acesso em 02 Abr. 2021.

LOKUGAMAGE AU, PATHBERIYA SDC. Human rights in childbirth, narratives and restorative justice: a review. Reproductive Health [on-line]. 2017; 17(14): 1-8. Disponível em: <https://doi.org/10.1186/s12978-016-0264-3>. Acesso em out 2021.

GARRIDO AB, TRICAS JG, GÓMEZ JB. La humanización de la asistencia al parto: Valoración de la satisfacción, autonomía y del autocontrol. Tesis de doctorado. Departament d'Infermeria de Salut Pública, Salut Mental i Maternoinfantil. Universitat de Barcelona. Barcelona. [on-line]. 2017. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10803/457137>. Acesso em dez 2021.

REIS TLR, PADOIN SMM, TOEBE TFP, PAULA CC, QUADROS JS. Autonomia feminina no processo de parto e nascimento: revisão integrativa da literatura. Revista Gaúcha de Enfermagem [on-line]. 2017; 1(38): 1-8. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/rgenf/v38n1/0102-6933-rgenf-1983-44720170164677.pdf>. Acesso em dez 2021.

Santana ACCS, Santos LES, Santos TO, Santos LS. O princípio da autonomia na humanização do parto. Ciências Biológicas e de Saúde Unit. 2019; 5(3): 155-164. Disponível em: <https://periodicos.set.edu.br/cadernobiologicas/article/view/6962>. Acesso em 20 Abr 2021.

MARTINS CA, MATTOS DV, SANTOS HFL. Autonomia da mulher no processo parturitivo. Revista enfermagem UFPE. [on-line]. 2016; 12(10):4509-16. Disponível em: <https://doi.org/10.5205/reuol.9978-88449-6-ED1012201611>. Acesso em dez 2021.

LUZ NAR, OSTERNE MSF. Aspectos Contemporâneos Referentes à Humanização na Assistência ao Parto. Conhecer: debate entre o público e o privado, 2016; 6(16). Disponível em: <https://revistas.uece.br/index.php/revistaconhecer/article/view/635>. Acesso em dez 2021.

BARROS, B.M.C; RUVIARO, R.; RICHTE, D. A violação dos direitos fundamentais na hora do parto: uma análise da autonomia e empoderamento da mulher. Rev. Dir. Soc. Pol. Pub. , 2017; v.5, n. 1. Disponível em: < https://www.unifafibe.com.br/revista/index.php/direitos-sociais-politicas-pub/article/view/204/pdf_1 >.

Creative Commons License

Esta obra está bajo una licencia internacional Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivadas 4.0.

Derechos de autor 2021 Revista Colombiana de Bioética

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.